Professor Hariovaldo Almeida Prado

4 abril 2010

FHC ilumina os caminhos contra as trevas do mal

Filed under: Plano Condor Vermelho — Hariovaldo @ 20:48
Tags: , , ,

FHC

O verdadeiro líder é aquele que nos ilumina em meio a escuridão, mostrando o rumo a ser seguido pelos homens bons da nação, denunciando os perigos que corremos frente ao inimigo representado pelo monstro vermelho de nove garras. São essas as grandes qualidades que vemos em Fernando Henrique Cardoso, esse rapaz corajoso que não nos tem faltado com seu apoio nessa grandiosa jornada para sagrar Serra o futuro libertador da nação. Não poderíamos deixar passar em branco esse manifesto  genial conclamando a Pátria a lutar  contra as hostes satânicas do petismo, um verdadeiro chamamento a união de todos aqueles que lutam contra o comunismo representado pelo governo autoritário do dilmolulismo. Por isso, reproduzimos aqui os principais trechos do manifesto para que todos os homens de bem leiam novamente fazendo uma reflexão analítica sobres essas palavras superiores fortalecendo o espírito e a fé em nossa causa bendita.

Hora de União

(…)

Passados 25 anos, nos encontramos frente a circunstâncias históricas que novamente requerem grandeza dos líderes e unidade de todos. Não está em jogo o admirar ou não o presidente Lula, nem mesmo as qualidades de liderança (ou a falta delas) de sua candidata Dilma Rousseff. Por trás das duas candidaturas polares há um embate maior. A tendência que vem marcando os últimos 18 meses do atual governo nos levará, pouco a pouco, para um modelo de sociedade que se baseia na predominância de uma forma de capitalismo na qual governo e algumas grandes corporações, especialmente públicas, unem-se sob a tutela de uma burocracia permeada por interesses corporativos e partidários. Especialmente de um partido cujo programa recente se descola da tradição democrática brasileira para dizer o mínimo. Cada vez mais nos aproximamos de uma forma de organização política inspirada num capitalismo com forte influência burocrática e predomínio de um partido. Tudo sob uma liderança habilidosa que ajeita interesses contraditórios e camufla a reorganização política que se está esboçando.

Agora, com as eleições presidenciais se aproximando, as alianças são feitas sem preocupação com a coerência político-ideológica: o que conta é ganhar as eleições. Depois, a força do Executivo se encarregará de diluir eventuais resistências de governadores e parlamentares que se opuserem à marcha do processo em curso, e transformará os aliados em vassalos. Mais recentemente tem surgido a dúvida: será que a candidata petista, sem ser Lula, terá força para arbitrar entre os interesses do partido, os dos aliados e os da sociedade? Não sei avaliar, mas o resultado será o mesmo: pouco a pouco, o “pensamento único”, agora sim, esmagará os anseios dos que sustentam uma visão aberta da sociedade e se opõem ao capitalismo de Estado controlado por forças partidárias quase únicas infiltradas na burocracia do Estado.

Os líderes oposicionistas atuais terão a visão de grandeza dos que os antecederam e perceberão que está em jogo a própria concepção do que seja democracia? Há quem defenda um outro estilo de sociedade. Há quem acredite que certo autoritarismo burocrático com poder econômico-financeiro pode favorecer o crescimento econômico. A China está aí para demonstrar que isso é possível. Mas é isso o que queremos para nós? A força governista ignora os limites da lei e tudo que decorre dessa atitude, desde a leniência com a corrupção até a arrogância do poder e o abuso publicitário antes do início legal das campanhas. É imperativo, pois, que as oposições se unam. A aliança entre Minas e São Paulo – que se pode dar de forma variada – salvou-nos do autoritarismo no passado. Uma candidatura que fale a todo o País, que represente a união das oposições e busque o consenso na sociedade é o melhor caminho para assegurar a vitória. José Serra e Aécio Neves estiveram ao lado dos que permitiram derrotar o regime autoritário. Cabe-lhes agora conduzir-nos para uma vitória que nos dê esperança de dias melhores. Tenho certeza de que não nos decepcionarão.

Fernando Henrique Cardoso
Grande Estadista

Instituto lulista usa técnicas neurais para fraudar pesquisa

Filed under: Eleições 2010 — Hariovaldo @ 11:59

Rede neural

Após as devastadoras pesquisas dos institutos Datafolha e Dataprado, as quais cairam como uma bomba no comitê comunista-dilmista, os asseclas do bolchevismo, que lutam pela continuidade da ditadura lullodilmista no Brasil, lançaram mão de técnicas neurais desenvolvidas na antiga União Soviética para fraudar uma pesquisa encomendada para sua candidata. Ainda bem que os poucos órgãos da imprensa que ainda não foram cooptados pelo imprensalão do PT não se deixaram enganar e nem divulgaram mais essa fraude.  Essa conduta dos bolchevistas é mais uma prova do desespero que toma conta das hostes satânicas do PT, visto que a candidata do mal cada dia é mais rejeitada pelo povo brasileiro cansado de viver sob o (des)governo do usurpador apedeuta. Isso é uma vergonha!

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.