Professor Hariovaldo Almeida Prado

26 dezembro 2010

Começam as homenagens indevidas ao apedeuta usurpador

Filed under: Relatos Pessoais — Hariovaldo @ 16:58
Tags: ,

A plebe ignara, entorpecida pelo marxismo ateu do lulismo satânico começa a tecer loas vazias e insensatas ao seu mestre maléfico, compondo falsas homenagens indevidas e deprimentes. Vejam abaixo um exemplo lamentável de tais odes vãs.

“ODE A LULA

Lula

Quero hoje falar de um bardo
Que em Garanhuns nasceu
Seu destino estava traçado
Desde o berço, a fada prometeu
Vai ser grande na vida
e a muitos conduzir e liderar
Pois tem sabedoria prá vender
apesar de na escola cabular
mas isso não o podia deter
Porque a vida estava a lhe ensinar
a sempre os pobres defender
e deles o apoio nunca faltar

Em pau de arara veio prá São Paulo
Triste, com a mãe e irmãos abatidos
Só com a roupa do corpo, uns trapos
Passando fome, frio e dias sofridos
Mas mesmo assim com a esperança
De uma vida melhor, tempos coloridos

Instalou-se em Santos, cidade do Litoral
E lá para ajudar a mãe pobre e desvalida
saia cedo de casa, com um embornal
com doces, salgados, todo tipo de comida
Para vender aos trabalhadores do cais
Era essa sua labuta e sua sina diária
E isso ficará registrado nos anais

Já moço, o diploma de torneiro conquistou
E com esse diploma, metalúrgico viraria
Para cumprir o seu destino de líder
Dessa classe sofrida mas de valentia
Tornou-se seu presidente por mérito
Do sindicato, nas eleições  daqueles dias
E foi o melhor presidente que o sindicato veria

Na  liderança, uma greve monumental armou
Foi a primeira greve que fez ainda na ditadura
Somente com um megafone, arregimentou
no humilde estádio, milhares de peões
que lhe ouviam emocionados com amor

No Doi Codi foi preso e isolado
Mas de sua luta jamais desistiria
O PT esquerdista foi por ele fundado
pois notou que aquela algavaria
da política, é que daria resultado

Por duas vezes nas eleições foi tentado e derrotado
Para presidente, quem levou foi Fernando, o Edil
Graças ao Plano Real, que assim como o Cruzado
Fez a alegria e conquistou os eleitores do Brasil
Mas esse plano, apesar de deter da inflação o Dragão
tinha coisas do mal e a alguns parecia plano vil
Pois não se importava com os pobres da população

A tudo privatizava, vendia, e nenhuma renda distribuia
O dinheiro, só ia para os ricos, na maior festança
E com isso o povo passou a ver a  grande patifaria
Daqueles tucanos, que só faziam merda e lambança
E em 2002, deu a resposta, aquilo não tardaria
Retiraram do poder o porco, sua fuça e sua pança

E subiu Lula, do planalto, a rampa do poder
Para a todos brasileiros governar, reger e ser amado
Com justiça, amor e fé somente do dever
De promover um governo para o mais necessitado

E agora que ele está perto do governo se ausentar
Sabemos, sua figura é amada e jamais será esquecido
Se a imprensa não lhe fizer justiça e divulgar
O grande homem que foi e sempre terá sido
Nos nossos corações sempre será lembrado
Pois seu nome em fogo neles estará gravado!

Parabéns Lula! Esperamos sua volta, ou em 2014 ou em 2018!

Feliz Natal a todos os Confrades!”

J.C. Pereira

Anúncios

56 Comentários »

  1. Onde vamos parar?!?

    Na época da gloriosa ditadura não era assim!

    Não existiam estes tipos de “artistas” para fazer homenagens a comunistas!!!

    Iam todos para o pau-de-arara levar choque!!!

    Ah, que saudade do meu Brazil…

    Comentário por Schimidt Schimitz — 26 dezembro 2010 @ 17:15 | Responder

  2. Poético Mestre,

    Sem dúvida, o sr. J.C. (Jesus Cristo?)Pereira merece assento ao lado do autor de ‘Marimbondos de Fogo’ na ABL. Claro, não foi feliz na escolha do protagonista da ode, mas sua imaginação (do poeta) merece aplausos.

    Comentário por Don Joze de Pan y Agua (I) — 26 dezembro 2010 @ 17:20 | Responder

  3. A víl comedora de criancinhas tomará posse.

    Fujamos da Dama Red-Escalate.

    Que o Deus OBRAHMA do norte nos ptoteja.

    Comentário por Braquicefalus — 26 dezembro 2010 @ 17:34 | Responder

  4. É pensar que a maioria dos participantes deste blog é de origem européia e que chegaram no Brasil,miseráveis, com uma mão na frente e outra atrás e que foram muito bem recebidos,aliás foram muito mais bem tratados do que os índios,os verdadeiros donos da terra e dos Africanos que vieram para cá forçados devido a escravidão e que vocês enriqueceram as custas da exploração dos Brasileiros,ENTÃO É MUITO INGRATIDÃO COM UM LEGITIMO FILHO DO BRASIL QUE ESTA DEVOLVENDO A DIGNIDADE AS MASSAS BRASILEIRAS!
    Lamentável a postura de vocês,mas pelo menos chegou A HORA E A VEZ DO POVO BRASILEIRO.

    Comentário por Tiago Silva — 26 dezembro 2010 @ 17:46 | Responder

    • Ora! Tiago “Silva”. Aposto que defendes o apedeuta por ter seu sobrenome e por ser beneficiário do Bolsa-Mendigo que este labrego barbudo comunista perpetrou à população ignóbil deste Brazil, MY Brazil.

      Aqui não há espaço para a gentalha! Vá jogar futebol na várzea! Xô!

      Mando saudações para os parisienses que estão em Miami, fazendo suas compras de fim de ano. Aliás, escrevo diretamente do aeroporto francês. Meu voo atrasou, mas aqui tem WI-FI para todos os homens brancos de bem.

      A bientôt!

      Comentário por Hermann de Oliveira Padilla Giovenutto — 26 dezembro 2010 @ 18:31 | Responder

    • Flatulento Sr. Tiago, abusastes dos fermentados na ceia de Natal e estás até o momento usufruindo do “soborô do restô dontê”, vens aqui neste espaço cheirosinho com tais olores ! Santa paciência.

      Comentário por Padre Iscariotes — 26 dezembro 2010 @ 18:45 | Responder

    • Gostei muito do que o Sr. escreveu amigo Tiago. (Claro que o Sr é pobre porque se tivesse sido Batizado pelo bispo de Guarulhos em vez Tiago, seria THIAGO e jamais SILVA).
      Nós de origem europeia tivemos que voltar às origens e viver em humilíssimos castelos franceses e Villas italianas. A maioria de nós “já” voltou para a riviera francesa e italiana. Em contrapartida tem alguns que ainda preambulam perdidos pelo bairro do Morumbi, em Petrópolis, em Jacuipe e outros até em em Miami.
      Mas descanse que com o imatável, imorrível e inderrotável José Chirico, aquele que nem a bolinha de papel derrotou, todos nós voltaremos a frequentar esses lugares tropicais, hoje contaminados.

      Comentário por José Vicente de Magalhães — 27 dezembro 2010 @ 05:59 | Responder

    • Tiago Fabrício,

      Vai calçar teus chinelos do Pateta antes que pegues um resfriado!!!

      Comentário por Professor Temístocles Sabóia Filho (o bom) — 27 dezembro 2010 @ 13:29 | Responder

    • Por que não te calas?
      Quem disse que meus antepassados são miseráveis. Somos originários do Condado Portucalense e fazemos parte das famílias nobres europeias.
      Você sim é um selvático! Pois se não sabe este nome SILVA é sobre aqueles que vivem nos sertões.
      Por acaso você é parente do apedeuta?
      Vou sugerir ao mestre para impedir o acesso a estas paragens de pessoas com sobrenomes comuns, tais como: Silva, Ferreira, Costa e tantos outros que falam sobre as origens trabalhistas dos mesmos.
      Vai esquentar a tua marmita e suma-te daqui.
      Da próxima vez que visitar este sítio de homens bons, fique calado! Veja como se comporta a verdadeira elite deste país, a creme de la creme!
      E não se esqueça nunca, reles trabalhador
      Çerra e 45.

      Comentário por D. Carlos D'Orleans e Bragança — 27 dezembro 2010 @ 13:30 | Responder

      • Mentira,Mentira vocês só vieram para o Brasil porque no século XIX mandaram esvaziar as cadeias da Itália,Alemanha,França,etc…

        Comentário por Tiago Silva — 27 dezembro 2010 @ 20:20

      • Prezado Sr. Silva.
        Epa, Epa, Epa…
        Pó pará…Esta cheirosa e branquinha representante das mulheres boas deste país está indignada!!!
        Meu tata-tata-tataravô veio para o Brasil CONVIDADO a fazer parte de uma expedição científica, você sabe o que isso significa. Quanto aos ascendentes de boa parte dos convivas deste bento espaço cibernético que encontraram no Brasil a possibilidade de ganhar muito mais dindin…Foi sorte e inteligência, alem de uns subornozinhos aqui, umas comprinhas de votos acolá…
        Cadeia é só pra pobre, preto e p…, colarinho branco e colar de pérolas legítimas na cadeia? JAMAIS, ainda mais com nossos juízes-representantes em Brasília…
        Alvíssaras

        Comentário por Heloísa de Saint Hilaire — 27 dezembro 2010 @ 20:47

    • Ô Tiago, vc não entendeu nada ainda sobre a verdadeira intenção desse poderoso e “alvo” espaço criado pelo amadíssimo São Serapião, homem bom e “cheiroso”! Leia e releia, veja os detalhes “ocultos” nas entrelinhas desse brilhante espaço repleto de “homens bons da nação”! Calma Tiago!!! O amantíssimo guardião da “NAÇÃO BRAZILEIRA” TE PERDOARÁ…

      Comentário por Elmar da Silva — 31 dezembro 2010 @ 14:13 | Responder

  5. […] This post was mentioned on Twitter by Luciano Bernardo . Luciano Bernardo said: Começam as homenagens indevidas ao apedeuta usurpador: http://t.co/ZWQlPTN […]

    Pingback por Tweets that mention Professor Hariovaldo alerta: Começam as homenagens indevidas ao apedeuta usurpador. -- Topsy.com — 26 dezembro 2010 @ 18:42 | Responder

  6. Tiago Silva, tinha que ser Silva!

    Amanhã terás que pegar um busão lotado(como dizem a pobraiada), assim sendo va dormir e abandone este espaço, pois o mesmo é reservado somente a massa cheirosa, para usar a expressão da nossa querida irmã em São Serapião, como é mesmo o nome dela???

    Comentário por Frauzino Bello — 26 dezembro 2010 @ 18:57 | Responder

    • “Busão lotado”, vá lá, pois nossos nativos dominal mal o vernáculo. Mas “pobraiada”, isto é la jeito de falar (ou escrever, o que é pior). As nossas classes civilizadas já não são mais as mesmas..

      Comentário por WT — 27 dezembro 2010 @ 13:49 | Responder

  7. Em toda a minha vida, Lula foi o único politico em que realmente acredito.Acho que ele ama o Brasil de verdade! Espero que a Presidenta Dilma seja como ele!BOA SORTE QUERIDO PRESIDENTE!

    Comentário por Maria Angelica do Rosario — 26 dezembro 2010 @ 20:18 | Responder

    • Tem gente que lê mas não entende,
      Tem gente que acha que entende mas não lê
      Pra ler de verdade tem que captar a essência
      Não é só olhar e soletrar
      Tem que passar por cima da aparência
      O sentido real pouca gente vê
      Porque a ignorância supera a inocência
      Sem humor é muito baixo o saldo
      E da cultura e informação
      É necessário o respaldo
      Para que possa Vossa Excelência
      Compreender o Professor Hariovaldo.

      Comentário por Roberto — 27 dezembro 2010 @ 15:08 | Responder

      • Sim, essa tal dona Maria do Rosário é mesmo muito ingênua.

        Comentário por Massey Ferguson — 27 dezembro 2010 @ 15:53

      • O momento eh crucial! Nao dah pra ser sutil! O Nosso presidente estah se despedindo! Quanto ao PROFESSOR HARIOVALDO,sei que e um homem de valor,e com grande senso de humor. Qualquer dia vai trilhar o rubro caminho do bem. -Senhor Massey Fergusson, passe na minha casa pra eu te ensinar uma coisinha ou duas ‘Ingenuamente’.

        Comentário por Maria Angelica do Rosario — 27 dezembro 2010 @ 19:08

    • Hehehe

      Comentário por Roberto — 27 dezembro 2010 @ 19:57 | Responder

    • Desconfiada Sra. Maria do Rosário (quem diria). Sei que és uma alma boa, mas este negócio de “teoria da conspiração” é só modismo. Nos dê um só motivo para que não tenhas fé em outros brilhantes políticos do pátrio cenário. O Sr. Serra, por exemplo, uma pessoa tão do Dem , desculpe, do bem, com aquela carinha afável que posa na capa da InVeja (adotei o apelido que alguém passou). Ele voltará em 2014, tal fênix, para transmitir toda a paz e harmonia que só a campanha dele pode nos oferecer. Confie nele e também neste pároco acima de tudo . Beijos.

      Comentário por Padre Iscariotes — 27 dezembro 2010 @ 20:14 | Responder

      • Ta bom! HA HA HA HA!

        Comentário por Maria Angelica do Rosario — 27 dezembro 2010 @ 20:36

  8. LULA dever cumprido volte quando quizer / A PROPOSITO ONDE ANDA AQUELA MUHLER DA MASSA CHEIROSA?

    Comentário por rinaldo xavier — 26 dezembro 2010 @ 21:58 | Responder

    • ♫ Deve estar fedendo por aí. Se é que já não foi pulverizada e espalhada em algum canteiro de abóboras. Dizem que jornalistas do PIG rendem um excelente adubo. Pudera! São m… pura, ora! ☺☺☺

      Comentário por Jimmy Cricket™ - Guarujá — 26 dezembro 2010 @ 22:06 | Responder

  9. E o Cara não para de trabalhar e de ser homenageado VIVA LULA!VIVA O BRASIL VIVA O NORDESTE BOA SORTE DILMA
    Diario de Pernambuco 27/12/2010
    ´Nunca antes na história desse país` um presidente esteve tantas vezes em Pernambuco. Mesmo assim, a visita de Lula ao estado, amanhã, passará longe de ser só mais uma, será a 40ª somando os dois mandatos. Ela marca o fim de um ciclo que durou oito anos e fez do ex-metalúrgico, que quando criança fugiu da fome no interior pernambucano, uma das pessoas mais influentes do mundo, segundo listas como a da revista americana Time. Será a última visita dele ao seu estado natal antes de passar a faixa presidencial para Dilma Rousseff.

    Há duas semanas, presidente assinou em Salgueiro protocolo de intenções para instalar fábrica da Fiat em Suape. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press
    A vinda de Lula será marcada por uma série de eventos administrativos, todos acompanhados pelo governador Eduardo Campos (PSB). Após desembarcar no estado, presidente e comitiva realizam um sobrevoo pelo sistema Pirapama de abastecimento de água, no Cabo de Santo Agostinho. A conclusão da segunda etapa de Pirapama representa a produção de 2,5 mil litros a mais de água para o estado.

    Em seguida, o presidente vai para Suape onde lança a pedra fundamental da montadora italiana Fiat. A instalação da fábrica em Pernambuco foi anunciada durante a última visita do presidente ao estado, no início de dezembro. Será um investimento de R$ 3 bilhões, com geração de 3,5 mil empregos diretos.

    Às 17h o presidente estará no Recife Antigo para assinatura da ordem de serviço para o início das obras do centro cultural Cais do Sertão Luiz Gonzaga. O projeto resulta de uma parceria do governo estadual e do Porto do Recife com o Ministério da Cultura (MinC). A previsão é de que sejam investidos R$ 26 milhões, dos quais R$ 21 milhões serão do governo federal.

    O presidente fecha a agenda de compromissos com a concessão de um terreno para a Associação Orquestra Criança Cidadã dos Meninos do Coque. O espaço deverá ser usado para construir uma escola de música para crianças carentes. Lula ainda participa, às 19h no Marco Zero, de uma festa em sua homenagem organizada pelo governador Eduardo Campos. As atrações ainda não foram confirmadas, mas a lista deve contar com artistas regionais como Alceu Valença e Irah Caldeira. Uma oportunidade para eleitores do petista se despedirem do seu presidente.

    Comentário por Tê Nordestina — 27 dezembro 2010 @ 05:17 | Responder

  10. Do blog do Uncle King:

    #

    fernando-pb (26/12/2010 às 22:55)

    FHC, o maior ESTADISTA da história do Brasil… Vamos fazer isso ecoar minha gente! Isso é um golpe fatal para a arrogância do Apedeuta… Amigos, experimentem AFIRMAR a algum petralha que FHC foi o melhor presidente do Brasil??? Experimentei dizer isso a PROFESSORES de minha família, e TODOS ficaram calados, sem argumentos. Viva FHC!

    Comentário por Leitor da Veja — 27 dezembro 2010 @ 06:36 | Responder

    • Sr. Leitor da Veja: uma vez que o sr. frequenta aquele sítio Civitiasco, peço que seja portador do meu alerta a este sr. Fernando-pb (não seria pd, abreviatura de pederas …, deixa pra lá): se quiser fazer amor com FHC, terá que entrar na fila, atrás dos trêfegos Augusto Nunes, Reinaldo Azevedo, Diogo Mainardi, Dora Kramer, Miriam Leitão e tantos e tantas que lhe recomendo enfriar os ânimos com água benta e penitências.

      Comentário por Profa. Profa. Martha de Freitas Pannosujo Núnzio — 27 dezembro 2010 @ 13:02 | Responder

    • Discipulo dos Civitta. Que tipo de droga serviste neste natal para seus parentes? Especilamente os parentes professores, que ficaram ausentes de argumentos contrários a FHC? Passe-me a receita, ó civitista militante.

      Comentário por Opus Dei — 27 dezembro 2010 @ 13:43 | Responder

  11. tio hari,
    o grande fhc já arrumou emprego,
    ontem ocupava o lugar do diogo de m. num programinha da filial da globobo.
    um tal de manhatan connection.
    quando percebi que ele falava a verdade,
    que o brasil foi construido pelo pedreiro lula sobre as bases que ele,
    o grande farol da alexandria, deixou prontas,
    mudei de canal.
    a verdade já é sobejamente conhecida para quem lê falha de sampa, oóia, estado de sumpaulo e globobo.
    esperemos a volta do seu preposto, o grande zé chirico em 2064, que pode ser conferido aqui: http://www.tribunadaimprensa.com.br/?p=14038

    Comentário por emerson57 — 27 dezembro 2010 @ 06:58 | Responder

  12. Isto é uma afronta aos grandes presidentes que o Brasil teve. Citando apenas alguns: Presidente Médice, Presidente João Figueiredo ( não me lembro muito bem, mas é aquele do cavalo ) Presidente Color, Presidente (que bosta de alzaimer) Aquele da Calcinha ou sem calcinha, Presidente Ferdinando (ops)aquele que fez um filho na Reporter da Globo e sumiu com a pepita gigante de ouro que estava na escrivaninha na sala do Palácio do Planalto. Não consigo mais minha artrite esta braba, preciso tomar meu xarope, vou chamar minha mucama.

    Comentário por Juba — 27 dezembro 2010 @ 07:02 | Responder

  13. Vou parar de ler aFolhaDeSp,Estadão,Veja,Istoé,Globo não passa um dia que não falem de Lula, e bem! Tenho notado que começaram a elogiar o futuro ex_Pdte.

    Comentário por Conde do Itaim Paulista — 27 dezembro 2010 @ 08:33 | Responder

  14. O abestado da foto (qual o nome dele mesmo? ) vai descer a rampa do Planalto ao som do “Tema da Vitória” da Fórmula 1. Fica a dúvida: e o Diogo de M. com seu kart, qual seria a melhor trilha sonora ?

    Comentário por Padre Iscariotes — 27 dezembro 2010 @ 08:59 | Responder

  15. Caros comfrades.
    Felismente este vermelhote de nove dedos vai embora.Já vai tarde , ou melhor , não deveria nem ter vindo.
    Entretanto para nossa desgraça ele deixou em seu lugar uma femea que come criancinhas . Amigos é melhor preparar,o-no para o exôdo rumo a Miami ou europa.

    Comentário por T. Melo Rego — 27 dezembro 2010 @ 09:37 | Responder

  16. Essa de descer a rampa ao som do tema da vitória pegou mal hein? Só falta o Galvão Bueno gritando:`´EÉÉÉÉÉ…ÉÉÉÉÉ… DO BRAZZZZIIIILLLLLLLL!

    Comentário por Rubro, mas de vergonha! — 27 dezembro 2010 @ 09:53 | Responder

    • Querido confrade Rubro,
      Trata-se de uma grande piada, digo, um sarrinho, ops, uma homenagem à Rede Globo de Televisão, não notaste?
      O quase-ex-presidente deve muito à Famiglia Marinho e ao PIG pela isenção e imparcialidade que demonstraram ao longo destes longos 8 anos.
      Mas para bom entendedor…Nada melhor do que se despedir ao som daquela que foi a grande marca globolística das grandes conquistas deste país no campo esportivo. Pois é, o “jogo” foi difícil… Esse quase-ex é um fanfarrão mesmo…
      Alvíssaras

      Comentário por Heloísa de Saint Hilaire — 27 dezembro 2010 @ 20:58 | Responder

  17. OLORÍFICO E EMBALSAMADO MESTRE PROFESSOR HARI PRADO

    Que honra Professor. Ter minhas humildes loas publicadas no seu Blog como post é “bão” demais! Não merecia tal galardão!

    Agora, não devias publicar meu nome verdadeiro. Vossa Sumidade sabe que a polícia anda no meu encalço e dos meus irmãos, desde o “roubo do cofre do Ademar”. No nosso e no da Presidente Dilma, nossa aliada naquele crime!!

    Feliz ano novo ao senhor e a todos os confrades!

    Comentário por Irmão Petralha 176-671 — 27 dezembro 2010 @ 09:54 | Responder

  18. Caríssimos e caríssimas..
    E eu que vou para posse da vil Dilma…
    Chega a ser revoltante, mas vou tentar disfarçar bem… Prometo que vou chorar só um pouquinho….
    Alvíssaras, Çerra continua 13….

    Comentário por Heloísa de Saint Hilaire — 27 dezembro 2010 @ 10:54 | Responder

    • Ops, acho que me enganei, kkkkkkkkkkkkkkk

      Comentário por Heloísa de Saint Hilaire — 27 dezembro 2010 @ 10:55 | Responder

  19. Insustentável e Leve Mestre,

    É lamentável tal ode ao hirsuto.

    Não me causaria estranheza se daqui a pouco a plebe ignara tivesse a iniciativa de erigir uma estátua ao lado da de Padre Cícero, em Juazeiro do Norte/CE, tornando o local destino de peregrinação bolchevique internacional.

    Isso só viria a confirmar a suspeita de que este ex-presidente (ufa, finalmente!) é a reencarnação de Antônio Conselheiro, daí sua habilidade em atrair a atenção das massas.

    Diferente do Almirante do Tietê (e exímio arremessador de bolinhas de papel), que é a reencarnação de algum filósofo francês chique (suspeito que seja o Voltaire).

    Comentário por Joseph Hill — 27 dezembro 2010 @ 11:25 | Responder

    • Provavelmente alguém de olhos azuis e ariano: joseph mengele

      Comentário por Dimas — 27 dezembro 2010 @ 13:38 | Responder

      • Ops, me enganei na verdade eles são quase contemporânios devem ter se encontrado no Chile pra atualizar idéias.

        Comentário por Dimas — 27 dezembro 2010 @ 14:18

  20. Ora, ora… Enquanto preparamos o dossiê 100 Dias do Governo Dilma para A Falha e o Estralo vcs ficam homenageando o passado?? Que tipo de blog é esse? Olho no futuro minha gente: O neto de Dilma já está se complicando para a disputa de 2064 contra Serra.

    Comentário por fontinatti — 27 dezembro 2010 @ 11:41 | Responder

  21. Caríssimo Mestre e Confrades.

    Mestre, que atrevimento desse “ptralha” vir aqui tecer loas ao Mefisto de Garanhuns! O senhor deve denunciá-lo imediatamente às forças policiais. Espere comunista! Sua hora não tarda! Daqui a pouco o “camburão da Folha” vem lhe pegar!

    A época pede uma Alto de Natal, portanto, com vossa vênia, “colo” uma belíssimo conto retirado do site esquerdopata português RESISTIR.INFO.

    Conto de Natal – Maria e José na Palestina em 2010
    por James Petras
    Os tempos eram duros para José e Maria. A bolha imobiliária explodira. O desemprego aumentava entre trabalhadores da construção civil. Não havia trabalho, nem mesmo para um carpinteiro qualificado.

    Os colonatos ainda estavam a ser construídos, financiados principalmente pelo dinheiro judeu da América, contribuições de especuladores de Wall Street e donos de antros de jogo.

    “Bem”, pensou José, “temos algumas ovelhas e oliveiras e Maria cria galinhas”. Mas José preocupava-se, “queijo e azeitonas não chegam para alimentar um rapaz em crescimento. Maria vai dar à luz o nosso filho um dia destes”. Os seus sonhos profetizavam um rapaz robusto a trabalhar ao seu lado… multiplicando pães e peixes.

    Os colonos desprezavam José. Este raramente ia à sinagoga, e nas festividades chegava tarde para fugir à dízima. A sua modesta casa estava situada numa ravina próxima, com água duma ribeira que corria o ano inteiro. Era mesmo um local de eleição para a expansão dos colonatos. Por isso quando José se atrasou no pagamento do imposto predial, os colonos apropriaram-se da casa dele, despejaram José e Maria à força e ofereceram-lhes bilhetes só de ida para Jerusalém.

    José, nascido e criado naquelas colinas áridas, resistiu e feriu uns tantos colonos com os seus punhos calejados pelo trabalho. Mas acabou abatido sobre a sua cama nupcial, debaixo da oliveira, num desespero total.

    Maria, muito mais nova, sentia os movimentos do bebé. A sua hora estava a chegar.

    “Temos que encontrar um abrigo, José, temos que sair daqui… não há tempo para vinganças”, implorou.

    José, que acreditava no “olho por olho” dos profetas do Antigo Testamento, concordou contrariado.

    E foi assim que José vendeu as ovelhas, as galinhas e outros pertences a um vizinho árabe e comprou um burro e uma carroça. Carregou o colchão, algumas roupas, queijo, azeitonas e ovos e partiram para a Cidade Santa.

    O trilho era pedregoso e cheio de buracos. Maria encolhia-se em cada sacudidela; receava que o bebé se ressentisse. Pior, estavam na estrada para os palestinos, com postos de controlo militares por toda a parte. Ninguém tinha avisado José que, enquanto judeu, podia ter-se metido por uma estrada lisa pavimentada – proibida aos árabes.

    Na primeira barragem José viu uma longa fila de árabes à espera. Apontando para a mulher muito grávida, José perguntou aos palestinos, meio em árabe, meio em hebreu, se podiam continuar. Abriram uma clareira e o casal avançou.

    Um jovem soldado apontou a espingarda e disse a Maria e a José para se apearem da carroça. José desceu e apontou para a barriga da mulher. O soldado deu meia volta e virou-se para os seus camaradas. “Este árabe velho engravida a rapariga que comprou por meia dúzia de ovelhas e agora quer passar”.

    José, vermelho de raiva, gritou num hebreu grosseiro, “Eu sou judeu. Mas ao contrário de vocês… respeito as mulheres grávidas”.

    O soldado empurrou José com a espingarda e mandou-o recuar: “És pior do que um árabe – és um velho judeu que violas raparigas árabes”.

    Maria, assustada com o caminho que as coisas estavam a tomar, virou-se para o marido e gritou, “Pára, José, ou ele dispara e o nosso bebé vai nascer órfão”.

    Com grande dificuldade, Maria desceu da carroça. Apareceu um oficial do posto da guarda, a chamar por uma colega, “Oh Judi, apalpa-a por baixo do vestido, ela pode ter bombas escondidas”.

    “Que se passa? Já não gostas de ser tu a apalpá-las?” respondeu Judith num hebreu com sotaque de Brooklyn. Enquanto os soldados discutiam, Maria apoiou-se no ombro de José. Por fim, os soldados chegaram a um acordo.

    “Levanta o vestido e o que tens por baixo”, ordenou Judith. Maria ficou branca de vergonha. José olhava para a espingarda desmoralizado. Os soldados riam-se e apontavam para os peitos inchados de Maria, gracejando sobre um terrorista ainda não nascido com mãos árabes e cérebro judeu.

    José e Maria continuaram a caminho da Cidade Santa. Foram frequentes vezes detidos nos postos de controlo durante a caminhada. Sofriam sempre mais um atraso, mais indignidades e mais insultos gratuitos proferidos por sefarditas e asquenazes, homens e mulheres, leigos e religiosos – todos soldados do povo Eleito.

    Já era quase noite quando Maria e José chegaram finalmente ao Muro. Os portões já estavam fechados. Maria chorava em pânico, “José, sinto que o bebé está a chegar. Por favor, arranja qualquer coisa depressa”.

    José entrou em pânico. Viu as luzes duma pequena aldeia ali ao pé e, deixando Maria na carroça, correu para a casa mais próxima e bateu à porta com força. Uma mulher palestina entreabriu a porta e espreitou para a cara escura e agitada de José. “Quem és tu? O que é que queres?”

    “Sou José, carpinteiro das colinas do Hebron. A minha mulher está quase a dar à luz e preciso de um abrigo para proteger Maria e o bebé”. Apontando para Maria na carroça do burro, José implorava na sua estranha mistura de hebreu e árabe.

    “Bem, falas como um judeu mas pareces mesmo um árabe”, disse a mulher palestina a rir enquanto o acompanhava até à carroça.

    A cara de Maria estava contorcida de dores e de medo; as contracções estavam a ser mais frequentes e intensas.

    A mulher disse a José que levasse a carroça de volta para um estábulo onde se guardavam as ovelhas e as galinhas. Logo que entraram, Maria gritou de dor e a palestina, a que entretanto se juntara uma parteira vizinha, ajudou rapidamente a jovem mãe a deitar-se numa cama de palha.

    E assim nasceu a criança, enquanto José assistia cheio de temor.

    Aconteceu que passavam por ali alguns pastores, que regressavam do campo, e ouviram uma mistura de choro de bebé e de gritos de alegria e se apressaram a ir até ao estábulo levando as suas espingardas e leite fresco de cabra, sem saber se iam encontrar amigos ou inimigos, judeus ou árabes. Quando entraram no estábulo e depararam com a mãe e o menino, puseram de lado as armas e ofereceram o leite a Maria que lhes agradeceu tanto em hebreu como em árabe.

    E os pastores ficaram estupefactos e pensaram: Quem seria aquela gente estranha, um pobre casal judeu, que chegara em paz com uma carroça com inscrições árabes?

    As novas espalharam-se rapidamente sobre o estranho nascimento duma criança judia mesmo junto ao Muro, num estábulo palestino. Apareceram muitos vizinhos que contemplavam Maria, o menino e José.

    Entretanto, soldados israelenses, equipados com óculos de visão nocturna, reportaram das suas torres de vigia que cobriam a vizinhança palestina: “Os árabes estão a reunir-se mesmo junto ao Muro, num estábulo, à luz das velas”.

    Abriram-se os portões por baixo das torres de vigia e de lá saíram camiões blindados com luzes brilhantes, seguidos por soldados armados até aos dentes que cercaram o estábulo, os aldeões reunidos e a casa da mulher palestina. Um altifalante disparou, “Saiam cá para fora com as mãos no ar ou disparamos”. Saíram todos do estábulo, juntamente com José, que deu um passo em frente de braços virados para o céu e falou, “A minha mulher Maria não pode obedecer às vossas ordens. Está a amamentar o menino Jesus”.

    Comentário por Padre Quevedo — 27 dezembro 2010 @ 12:26 | Responder

  22. Pois não seja por isso. Se devemos homenagear alguém vamos homenagear o Doutor Fernando Henrique Cardoso, o maior estadista brasileira do século XX. O poema abaixo, de autoria de um certo Visconde Zé da Silva Brasileiro, foi publicado aquí mesmo neste blog, no dia 27-05-2009 (https://hariprado.wordpress.com/2009/05/27/ode-ao-verdadeiro-estadista):

    O TUCANO SAUDOSO

    Ah que saudades que eu tenho
    Do governo Fernando Henrique
    Nosso ex-presidente mais chique
    Homem instruído e tolerante
    Exceto com a corrupção
    Cujo combate levou adiante
    Com ousadia, destemor e convicção

    Ah que saudades que eu tenho
    Daqueles tucanos geniais
    Que privatizaram as estatais
    Fazendo tudo direitinho
    Sem roubar sequer um centavinho
    Como sou grato àqueles Varões de Plutarco
    Que fizeram da privatização da Vale um marco
    Então comemorado alegremente
    Enquanto os compradores, coitados
    Totalmente ludibriados e enganados
    Até hoje se arrependem amargamente!

    Ah que saudades que eu tenho
    Daquele governo de vestais
    Em que não se roubava jamais
    Mesmo no Congresso
    A única preocupação era o progresso
    Não existia troca-troca
    Os congressistas tudo votavam
    Sem receber nada em troca
    E ninguém jamais foi acusado
    De qualquer malfeitoria
    Enquanto o país avançava
    Num clima de paz, progresso e harmonia
    Com o povo sempre a festejar
    Só a imprensa se desesperava
    Sem nada de mal pra falar…

    Ah que saudades que eu tenho
    Daquela época de ouro
    Em que vigiava o tesouro
    O inesquecível Dr. Geraldo Brindeiro
    Um valente procurador
    E intransigente justiceiro
    Que angariou então justa fama
    Levando os corruptos a viver um drama
    Obrigados a tirar férias coletivas
    Durante toda a era tucana!

    Foi um drama coletivo
    Coisa triste de se ver
    Milhares de corruptos coçando o saco
    Sem ter nada pra fazer
    Antes tão ativos e risonhos
    Agora deprimidos e tristonhos
    Proibidos de roubar
    Não encontravam razões para viver
    Mergulhados em crises existenciais
    Ausentes das manchetes dos jornais
    Lamentando sua falta de sorte
    Pois um corrupto que se preza
    À inatividade prefere a morte
    Os corruptos viviam em grande tédio
    E em grave crise de abstinência
    Aguardando com impaciência
    Numa tristeza de lascar
    A chegada de novos tempos
    Quando então, sem contratempos
    Pudessem voltar a roubar!

    Com o fim da era tucana
    Tendo os gatos ido embora
    Dos ratos era chegada a hora
    Os corruptos enfim recuperaram
    A alegria de viver
    E em grandes festas comemoraram
    A sua volta ao poder

    Ah que saudade que eu tenho daquele tempo
    Em que o Fernando de tudo cuidava
    E como o Farol de Alexandria
    Ele, generoso, nos apontava
    O caminho da paz e da harmonia

    Ah que saudades que eu tenho!
    Daqueles pobres acomodados
    Tão tranquilos, tão sossegados
    Que além de saber votar
    Ainda reconheciam o seu lugar
    Hoje está tudo diferente
    Qualquer um pensa que é gente
    E só quer saber de reivindicar
    Tem “sem casa”, “sem terra” e agora, suprema perfídia!
    Ousam criticar até nossa impoluta mídia
    Tão isenta, democrática e plural
    Inventando um movimento dos “sem mídia”
    Pra tirar a mídia do seu pedestal!

    Ah que saudades que eu tenho
    Daquele mundo perfeito
    Em que o povo votava direito
    Hoje a situação está de chorar
    Chegamos até ao extremo
    De fazer aliança com os demos
    Pra ensinar de novo o povo a votar!

    Visconde Zé da Silva Brasileiro”

    Comentário por Leitor da Veja — 27 dezembro 2010 @ 12:26 | Responder

    • Supimpa este poema lírico, que por isso merece ser republicado e republicado e republicado. De ora em diante o terei no portal de meus cômodos aqui na universidade de Mata um Grosso. Seu autor, ainda que mero Zé da Silva, se revela um dos nossos ao antepor ao seu antropônimo um tanto nojento o honorável título de Visconde. De qualquer feito, sugiro ao inspirado vate abdicar de vez do malfadado Silva substituindo-o por, quem sabe, um Sá e o Brasileiro (que horror!!!) por “de Órleans”. José de Sá de Órleans! Supimpa, não é mesmo?! Ai, que saudades que eu tenho do falecido do FHC …

      Comentário por Profa. Profa. Martha de Freitas Pannosujo Núnzio — 28 dezembro 2010 @ 12:08 | Responder

      • Li comentários sobre a entrevistas, mas só percebi o tamanho da invejas da galera depois que acessei o link.
        A turma perdeu o rumo…

        Comentário por vivi — 28 dezembro 2010 @ 18:35

    • Veja, Sr. Vejinha o quê está sendo visto na GNT.

      Depois da Ode ao Lulinha que o prof. Hari, muito a contra gosto postou para nós, digitando cada letra, de cada silaba, de cada palavra, de cada linha , de cada verso e se dando ao trabalho de enfeitar com uma imagem artística do próprio, tão despreocupadamente , digo, tão angustiosamente .
      Depois de sua lembrança, Sr. Veja ao trabalho peota-artitico- retrospecto-dosdiasqueseDeusquisernãovoltammais, do Sr. Zé da Silva a sua referida Ode ao Fernadito, intitulado o Tucano Saudoso. Nada mais oportuno que ouvir-lo mais uma vez. Sim, o império contra ataca.
      O maior dos Brasileiros, segundo ele, aquele que diante do abismo deu um passo adiante, aquele que entregou o Brasil-bicicleta já em movimento e que coube ao Lulinha apenas pedalar . Interpelado pelo nobre Mainard, fez uma revelação bombástica : ¨ Não entendo nada que Dilma Fala¨.
      Oh, Jesus Cristin . O Catotinha da mamãe perdeu a vez, o minerim perdeu a vez, o Geraaaado perdeu a vez. Para aqueles que acham que o PSDB já morreu. Aqui está a prova de que ele vive e seu nome é Fernando. Está lançado o candidato, está lançada a estratégia de campanha para 2014.
      ¨ Eu, Fernando governei o Brasil por 16 anos sendo que nos últimos 8 anos por telepatia¨ .
      ¨ Eu, Fernando além de charmoso, boa pinta e intelectualmente completo , não entendo nada do diz aquela que o metalúrgico escolheu como sucessora . Ela fala, fala e eu não se entende nada¨.

      Comentário por Ana Cruzzeli — 28 dezembro 2010 @ 16:34 | Responder

  23. Magister Magistorum,

    Nobres confrades de macias mãos e alva cútis,

    Horrorizo-me ante a esses metricamente pobres cordeis em honra ao vil sapão da língua presa.

    Com certeza, os deputados do partido do molusco devem estar atuando como mecenas vermelhos, patrocinando artistas mambembes, poeteiros (eu disse poeteiros, rosinha!) de quinta categoria, para que façam essas obras de qualidade duvidável.

    Daqui a pouco, teremos muros pintados de vermelho, com a feia efígie do molusco, com os dizeres “arriba la revolución”!

    Vejam que só indivíduos cujas obras possuem qualidade inferior apoiaram a vil fantochuda em sua usurpação ao trono do auriverde torrão. Gente da qualidade de Chico Buarque, Niemeyer, Chauí, pessoas de quilate inferior, diferente das cansadas e cansados que fazem uníssono com nossas belas vozes.

    Que Serapião e Bálaguer nos livrem e guardem!!!

    Comentário por Professor Temístocles Sabóia Filho (o bom) — 27 dezembro 2010 @ 13:44 | Responder

  24. Sempre alerta Mestre!
    Já reservei minha passagem junto à plebe ignara e, disfarçadamente, estarei presente no primeiro dia de janeiro na esplanada dos ministérios, infiltrado entre os beneficiarios da bolsa-esmola para vaiar a posse da seguidora escarlate do demo de nove unhas. Cumprirei minha tarefa, misturado aos pobres, eternamente enganados pela mídia bolchevique, fazendo-os ouvir a voz dos homens de bem contra o mal que se avizinha. Estarei de vermelho para completar meu perfeito disfarce zero-zero-setistico. Alvíssaras e que São Serapião proteja seus agentes secretos do Bem.

    Comentário por Opus Dei — 27 dezembro 2010 @ 13:50 | Responder

  25. Confrades, mes dammes,

    Quem quiser ver uma pequena retrospectiva do tratamento dado pelo nossa isenta mídia ao Nove Garras: http://www.aposentadodesconfiado.wordpress.com. Acompanha uma amostra de sal de frutas.

    Comentário por Don Joze de Pan y Agua (I) — 27 dezembro 2010 @ 21:12 | Responder

  26. Ladies and gentlemen: não faço idéia do que vocês estão tratando, mas agorinha, enquanto eu ensinava meu lhama de estimação a cantar Auld Lang Syne, logo depois que ele (o lhama) tentou comer a bagpipe de Dom Baitólo e saiu saracoteando e cantando “Es Sudamérica Mi Voz” (o Dom Baitólo) e derrubando uma quantia absurda de folhas de chuchu no fogo (o lhama), tive uma visão – bom, na verdade eu não vi, só ouvi uma voz que dizia : “qué falá cum pai veio vem agora, qui pai veio já tá indo s’ímbora”. Será que estão adulterando as mui sagradas folhas de chuchu misturando folhas de cana de açúcar???

    Comentário por Mare Hollysmoke — 27 dezembro 2010 @ 22:53 | Responder

  27. O Uncle King está merecendo o troféu “Óleo de Peroba”:

    Vejam o que escreveu o senhor Uncle King no seu blog: (http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/os-filhos-empresarios-de-lula):

    “Pois é… A classe operária foi ao paraíso numa espantosa velocidade. Também nesse caso se percebe que FHC e Lula são muito diferentes. Quando o tucano chegou à Presidência, seus netos eram herdeiros de banco — o então Banco Nacional. Quando ele deixou o cargo, seus descendentes eram “sem-banco”. A instituição havia quebrado, e o governo não moveu uma palha para salvá-lo”.

    O Banco Nacional foi a maior fraude da história bancária brasileira. Desfalcaram o banco até chegar ao ponto em que 80% das operações de crédito eram falsas, montadas apenas para cobrir desfalques.

    Não fosse a intervenção do governo (FHC) os aplicadores e depositantes do banco teriam ficado literalmente de tanga pois os recursos correspondentes foram todos desviados. Num país sério eles teriam recebido uma pena equivalente à que o Sr. Bernard Madoff recebeu nos Estados Unidos.

    No Brasil foram emitidos títulos publicos para cobrir o rombo e todos foram felizes para sempre, exceto o povo brasileiro que até hoje está pagando juros sobre a dívida.

    Comentário por Brasileiro Sem Eira Nem Beira da Silva — 28 dezembro 2010 @ 06:43 | Responder

    • Ilustríssimo Sr. B. S.E.N.B da Silva,

      Pensávamos estar livres de sua presença que só nos causa azia. O sr. é muito ousado comparecendo neste lugar de pessoas boas e de bens, nesta época de sinos bimbalhantes, luzes tremulantes e fogos espoucantes, tentar encobrir o injustificável progresso dos Apedeutsons fundamentadamente mostrada pelo nosso insigne historiador R.Azevedo.

      Nada que se compare a uma exposição na Alemanha, a uma assessoria senatorial à distância, a um genro presidindo uma petroleira nacional, é claro.

      Que São Serapião dê um ano glorioso, livres do Apedeuta Desmindinhado, a todos nós, exceto a Candin…, não, é Natal, a ela também.

      Comentário por Don Joze de Pan y Agua (I) — 28 dezembro 2010 @ 08:19 | Responder

    • Não se apoquente com o “Cabecinha Pelada”, ele apenas tenta galgar degraus na escala social, tendo como meta homens de bem e de benz e, para tal, elegeu, muito sabiamente, a figura do não menos nobre “Lamparina de Alexandria”. Este último, nobre defensor dos de olhos azuis do Norte, soube bem encaminhar seus rebentos no bom caminho; sabedores da instabilidade monetária que grassava por estas paragens, fez por bem indicar à prole e a seus relativos, a transferência dos ativos da famiglia para bancos mais sólidos em regiões acima do Equador, o que, infelizmente, levou a quebra de banquinho já combalido de nome Nacional.

      Saudações

      Comentário por De Vaneio — 28 dezembro 2010 @ 09:17 | Responder

    • Não se preocupe com Ruinaldo Azevedo caro Brasilino

      Ele está de férias e levou suas “reinaldinhas”, a mulher e duas filhas, para “salgar o bacalhau” nas maravilhosas praias nordestinas e prepará-lo na ceia de ano novo!

      Saudações!

      Comentário por Padre Quevedo — 29 dezembro 2010 @ 07:52 | Responder

  28. Este pessoal deveria parar de ler estes blogs sujos e ordinários e fazer uma assinatura da VEJA, para os catarinenses “ESPIAS”. A assinatura está com 50% de desconto e ainda dá mais um ano de revistas de graça. Uma pechincha, verdadeira barganha, pois a mesma como todos sabem é muito conceituada e honesta. Existe uma correria imensa atrás desta promoção. LEIA ESPIAS, a revista que so fala a verdade.
    Nota: não é para a blebe mal cheirosa.

    Comentário por Juba — 28 dezembro 2010 @ 09:01 | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: